SAÚDE

Viajar pela história da enfermagem é proposta de um dos estandes

Em seus primórdios, a enfermagem não era exercida por profissionais e nasceu do cuidado familiar, da mãe com os filhos, da mulher com seus maridos. Posteriormente, na era pré-cristã, os enfermos eram tratados como seres que haviam sofrido castigos de Deus. Com isso, algumas pessoas cuidavam destes indivíduos para se “redimir” do pecado e ter a salvação.

Na era cristã, os doentes eram cuidados pelos religiosos, freiras e padres se dedicavam à profissão como caridade. Em seguida, surge o “período negro” da enfermagem, onde as mulheres eram submissas aos homens. Aquelas que eram separadas ou prostitutas, eram excluídas da sociedade. 

Consequentemente, estas mulheres não tinham uma profissão, para se redimir elas cuidavam dos enfermos. Daí, surge um preconceito com as profissionais.

Após este período, surge Florence Nightingale, que foi a primeira a exercer a enfermagem como profissão. Ela foi uma estudiosa, que durante a Guerra da Crimeia (entre 1953 e 1956, na península da Crimeia, no mar negro, ao sul da atual Ucrânia), juntou uma equipe de vinte e oito pessoas para cuidar dos soldados que estavam atuando na guerra. 

Durante este período, surge a primeira teoria da enfermagem, observada por Florence, na qual diz que um ambiente limpo traria uma melhor recuperação aos enfermos. Esta teoria que deixava o ambiente mais arejado e iluminado, chegou a reduzir a mortalidade que era de 40%, para 2%.

Florence ficou conhecida entre os soldados como “a dama da lâmpada”, porque durante a noite, ao passar pelo local em que estavam alojados os soldados, ela passava com uma lamparina para verificar a o estado de saúde dos mesmos. Surge então o símbolo das enfermeiras, a lamparina.

Outras teorias foram surgindo, como a Teoria de Alcance de Metas, de Imogene King (1923-2007), Teoria do Autocuidado, de Dorothea Orem (1914-2007), Teoria Transcultural, de Madeleine Leininger (1925-2012), entre outras. Estas teorias ajudam o enfermeiro a nortear o cuidado a partir de um determinado foco. Assim, fazendo com que a área se tornasse uma ciência.

Hoje o que se tem de mais atual na enfermagem é a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), que é o processo do trabalho desenvolvido composto por cinco etapas: Histórico de Enfermagem - HE, Diagnóstico de Enfermagem – DE, Planejamento de Enfermagem – PE, Implementação de Enfermagem - IE e Avaliação de Enfermagem ou Evolução de Enfermagem - EE.