SAÚDE

A luta contra o câncer de mama em um novo mutirão de mamografias

Dando início a sua contribuição no Outubro Rosa, o Grupo Reviver realizará um mutirão de mamografias gratuitas pela cidade. Desde a última quarta-feira (04) e durante todo o restante do mês de outubro, a unidade móvel Savana Galvão percorrerá as quatro regiões administrativas de Natal (RN) oferecendo o diagnóstico precoce do câncer de mama. O exame é destinado às mulheres acima de 50 anos. Para realizar a mamografia, é necessário comparecer ao mutirão portando documento oficial com foto, cartão SUS e comprovante de residência. Quem tem de 40 a 49 anos precisa, ainda, levar requisição de um médico ou enfermeiro.

Além das quatro zonas da capital, o projeto seguirá, também, para cidade de Guamaré e Taipu. A Unidade tem capacidade de realizar 80 exames por dia e o resultado sai na hora e a mulher, lá mesmo, já recebe todas as orientações necessárias. A programação será distribuída durante todo o mês de outubro e o começo de novembro e contará com mamografias gratuitas pela cidade.

Programação do mutirão que percorrerá Natal e cidades próximas durante o mês de outubro e começo de novembro (Ilustração: divulgação)

O projeto tem como objetivo dar apoio a mulheres, a partir dos 40 anos, na realização do exame de mamografia. É uma iniciativa do grupo, desde 2015, com apoio da Delfin Imagens, Assembleia Legislativa do RN e a Prefeitura de Natal, que já conseguiu realizar mais de 6 mil mamografias, ajudando na prevenção de inúmeros casos de câncer na mama.

“Nós fundamos o grupo em 2012 com o objetivo específico de fazer diagnóstico precoce e trabalhar dando apoio aos dois grupos que já existiam, a Rede Feminina Contra o Câncer e o Grupo Despertar, que ajudam no suporte à Liga Contra o Câncer”, relata a sócia-fundadora do Reviver, Idaisa Mota, 55.

Desde que foi fundado, o grupo atua pela cidade com diversos projetos que auxiliam na conscientização da importância do autoexame e da mamografia no combate ao câncer de mama.

“Temos o Saúde da Mulher; o Apoio e Acolhimento; Clube de Idosos; Clube de Mães; Escola de Adolescentes, fazendo o alerta sobre o câncer; e ainda fazemos palestra quando nos chamam”, pontua Idaisa.

O Reviver conta com a ajuda de doações de pessoas físicas para a continuidade do projeto. Em 2015, por meio da parceria com a Delfin Imagens, conseguiu a unidade móvel Savana Galvão, responsável pelos mutirões realizados na cidade. Com a ajuda de colaboradores, o grupo conseguiu comprar um aparelho ultrassom para a oferta de exames às mulheres, especialmente as mais carentes.

O aparelho de ultrassom faz parte de uma parceria junto à Clínica Integrada da UNI-RN, na qual é oferecida a realização de exames de ultrassonografia a preços populares.

“Estamos realizando uma média de 120 exames por mês, com atendimento três dias por semana”, informa Ana Teresa Mota, uma das colaboradoras do grupo. Os exames podem ser agendados nos dias de segunda, terça e quarta, por meio dos telefones 3215-2960 e 3215-2917.

ESTATÍSTICAS DO CÂNCER DE MAMA

Atualmente, o câncer de mama é uma das doenças que mais afetam a vida das mulheres no Brasil. Segundo relatório do Instituto Nacional de Câncer (INCA), 57.960 mulheres tiveram a doença em 2016. Esses números correspondem a cerca de 20% dos casos de câncer em mulheres.

No Rio Grande do Norte, a estimativa também é alta. Em 2016, 720 casos foram registrados, o que corresponde a, também, 20% dos casos de câncer entre mulheres.

“Os números de câncer dizem que, este ano, teremos mais de 600 novos casos, mas essa estatística só funciona para quem está no incluído no SUS. E quem não procura o SUS? Acredito, então, que seja mais de 1200 casos”, exclama, Idaisa, sobre os problemas de informação relacionados aos casos de câncer existentes na cidade.

A realidade do estado segue a mesma das estatísticas: em péssima situação. Segundo contato feito com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), através da representante do Setor da Saúde da Mulher, do Homem e do Adolescente, Joana D'arc, em Natal, há apenas um mamógrafo da rede municipal de saúde, que fica localizado no Centro de Especialidades Integradas (CEI) Leste II (antigo Centro Reprodutivo Dr. Leide Morais), em Alecrim. Os exames, afirma, podem ser agendados nas Unidades Básicas de Saúde.

O restante dos equipamentos é distribuído em seis clínicas, as quais realizam os exames por meio de contratos firmados com o SUS, que custeia o serviço para os pacientes. As clínicas, segundo Joana, são: Clínica de Mama de Natal, em Lagoa Nova; Clínica de Raio-X e Ultrassom, em Alecrim; J.J. Serviços Médicos, Clínicos e Hospitalares, representada pela Clínica SIP, em Tirol; Liga Norte-riograndense Contra o Câncer; Centro de Imagem e Diagnóstico; e Maternidade Escola Januário Cicco, em Petrópolis.

No entanto, a questão envolvendo os exames de mamografia traz uma outra realidade. Por toda Natal, há uma demanda reprimida - número de pessoas que precisam fazer o exame, mas não o conseguem (por falta de equipamento, condições financeiras baixas, falta de conscientização etc.) - muito alta, conforme Idaisa “Eu lamento que a gente precise de um mutirão porque acho que poderíamos ter isso [o exame mamografia acessível] durante todo o ano”.

(Dados retirados do relatório anual do Instituto Nacional do Câncer (INCA) e com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio do Setor de Saúde da Mulher, do Homem e do Adolescente).