CULTURA

Waldonys: Eterno aprendiz do Nordeste presente na XX Cientec

"Fico muito feliz em ver a verdadeira música tradicional do Nordeste dentro da universidade", afirma Waldonys (Mariana Ceci/Fotec)


Nordestino, aprendiz de Dominguinhos e Luiz Gonzaga e, principalmente, grande expoente da cultura popular, o cantor e sanfoneiro Waldonys esteve presente na 20ª edição da CIENTEC para realizar uma apresentação no anfiteatro da Universidade na noite da terça-feira (21). O repertório contou com clássicos do forró tradicional, além de diversas músicas autorais. Em entrevista concedida à Fotec, o músico destacou a necessidade de valorizar e reconhecer suas raízes, além da importância de utilizar as novas tecnologias e os espaços virtuais para difundir cada vez mais a cultura popular.

"Fico muito feliz em ver a verdadeira música tradicional do Nordeste dentro da universidade. Não desmerecendo o que se escuta hoje, mas é que muitas das músicas produzidas são descartáveis: escuta-se por uma temporada e, depois, nunca mais se ouve falar. A boa música não fica velha". 

Entusiasta das novas tecnologias, o cantor também colocou a importância da cultura popular se apoderar cada vez mais dos espaços virtuais para que, em tempos nos quais são produzidos sucessos e celebridades instantâneas com prazo de validade, lembremos que também há material de qualidade sendo produzidos em lugares que, infelizmente, não ganham o destaque que mereciam nos grandes veículos de comunicação. 

Ao ser questionado sobre a recente onda de comentários racistas contra os nordestinos nos espaços virtuais, no entanto, o cantor respondeu que preferia não se pronunciar sobre o assunto: "Estamos num período no qual as pessoas têm batido constantemente no nordestino. Alguns dizem que é pela nossa história, mas eu acredito que é justamente por não a conhecer. Prefiro não me pronunciar especificamente quanto a esse cenário atual, mas acredito que isso só destaca a importância de espalhar ainda mais nossa música. Rebater com o que há de melhor no Nordeste", destacou. 

A importância da tradição em sua formação e em toda sua vida deixa claro o que esperar do show: "Não é que eu vá tocar só músicas de Luiz Gonzaga: toco também muitas músicas autorais. Mas pra mim, é impossível não colocar uma ou outra. A tradição está presente em tudo que faço, por isso sempre serei um eterno aprendiz". 

Ao final da entrevista, Waldonys manda um recado a respeito da importância da representação regional nos meios de comunicação e da necessidade de mudança no cenário atual em relação com as produções locais: "Acho que tem tanta coisa boa que vem sendo escondida. Tenho viajado muito pelo Brasil todo, pelo Nordeste em especial, e tem tanta gente talentosa fazendo música e que não existe espaço para mostrar seu material. Temos a internet, que é um meio tão fácil de divulgar, porém ainda não é um meio tão acessível. É preciso mudar esse cenário".