TECNOLOGIA

Pesquisadores da UFRN encontraram mais de cinco mil exoplanetas

Que não estamos sozinhos no Universo, disso poucos desconfiam. Contudo, encontrar quem são os nossos vizinhos vem sendo um desafio que há séculos perturba a espécie humana. Por isso, mostrar como funciona a detecção de planetas fora do sistema solar desponta como a proposta do Grupo de Astrofísica, Estrutura e Evolução Estelar (GE³), do Departamento de Física Téorica e Aplicada, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), durante a edição 2015 da Semana de Ciência, Tecnologia e Cultura (CIENTEC).

No estande 85, do pavilhão 03 da mostra, localizada no Campus Universitário, os visitantes têm acesso ao espaço intitulado “Laboratório de Estudos de Física Estelar e Exoplanetas” (ExoLAB). Nele é apresentado ao público, em tempo real, como funcionam os satélites que buscam por novos planetas.

No meio científico, esses corpos celestes são conhecidos como exoplanetas, uma vez que estão fora do sistema solar. Através da técnica apresentada no estande, já foram confirmados cerca de mil novos planetas.

Para 2016, o GE³ está preparando o projeto “Telescópio na Escola”, que visa tornar possível o acesso a professores e estudantes às imagens, de forma online, do telescópio de 35 cm de espelho que será instalado no Micro Observatório Astronômico da UFRN no próximo ano. Este telescópio faz parte, também, do estande ExoLAB.

O GE³ integra a base Base de Pesquisa em Astrofísica e Cosmologia da UFRN e é formado por estudantes do curso de Física da Universidade.